Homilias

Homilia do Padre Françoá Costa – XVIII Domingo do Tempo Comum – Ano A

Desafios do cotidiano

Cinco mil homens! Cinco mil homens! E Jesus tem a audácia de pronunciar aos seus discípulos as seguintes palavras: “Dai-lhe vós mesmo de comer”. Não eram “caritas”, nem uma ONG, tampouco eram os vicentinos, muito menos uma filantropia organizada. Eram somente doze homens que seguiam a Jesus e que compartiam aquilo que conseguiam entre todos. Como alimentar a cinco mil, isso sem contar as mulheres e as crianças? Gente demais!

Grande desafio à fé pessoal daqueles homens! Trata-se de um dos impossíveis de Deus, não porque seja impossível para Deus, mas porque nós os vemos como coisas que superam as nossas capacidades. O mesmo se diga se o Senhor nos ordenasse a transladar montanhas, a andar sobre as águas, a expulsar legiões de demônios, a ressuscitar mortos.

Essas coisas são verdadeiramente grandes aos nossos olhos. Mas também é verdade que com certa frequência nos sentimos desafiados por coisas bem menores. Quando Deus nos pede que façamos todos os dias um momento de oração na mesma hora, quando nos mostra que deveríamos fazer alguma penitência ou mortificação, quando insinua que devemos ir ao encontro de alguém e falar-lhe claramente que isso ou aquilo não está bem e que deveria mudar tal conduta, quando nos anima a convidar a um amigo a participar de alguma atividade na paróquia, quando… Esses são desafios que às vezes podem custar muito, ainda que sejam pequenos e possíveis aos nossos olhos. Há outros ainda: despertar-se na hora certa todos os dias, ler a Bíblia diariamente (ainda que sejam somente 5 minutinhos), ir a Missa todos os domingos e festas (sem faltar). Há outros? Poderíamos continuar enumerando-os, mas já é suficiente.

Em toda essa epopeia cotidiana o mais importante é que percebamos duas coisas: 1ª) é Jesus quem nos pede, 2ª) podemos oferecer com simplicidade aquilo que temos, ainda que sejam tão somente cinco pães e dois peixes.

Quando Jesus nos pede algo é preciso confiar que ele nos dará todas as graças, todo o auxílio e a força necessária para levarmos a bom termo aquilo que ele nos pede. Com outras palavras: se Deus nos pede alguma coisa é porque é a sua vontade e, portanto, o primeiro interessado em que isso aconteça é o mesmo Deus. Confiemos! Saber que estamos procurando fazer a vontade de Deus em cada momento deve encher-nos de paz e tranquilidade. Conta-se de Santa Bakhita, aquela escrava no Sudão que se tornou religiosa, que ao receber a visita de um Prelado, este lhe perguntou: “e o que a senhora faz, irmã?” Respondeu-lhe ela: “o mesmo que vós, excelência.” O bispo, intrigado, perguntou; “o mesmo que eu?”. A religiosa respondeu: “sim, o mesmo que vós: cumprir a vontade de Deus.” Não importa onde estejamos, aí mesmo, nesse lugar concreto, Deus pede que façamos a sua vontade com uma confiança total nele.

Mais concretamente, podemos e devemos colocar à disposição dos projetos de Deus para este mundo os cinco pães e dois peixes que temos, a começar pelos nossos cinco sentidos funcionando sob o impulso das faculdades superiores: inteligência e vontade. A visão, o tato, o paladar, a audição e o olfato (cinco pães) quando governados e auxiliados pela inteligência e a vontade (dois peixes) são “matéria” para que Deus realize verdadeiras obras da graça, algumas das quais só saberemos na eternidade. O importante é andar pelo mundo fazendo o bem. Fazendo o que está da nossa parte nem nos preocuparemos muito pelas estadísticas, teremos como único empenho realizar aquilo que Deus nos pede a cada momento.

Ver cristãmente, dar-nos conta de que o mundo necessita dessa visão que nós podemos oferecer – visão cristã das coisas – e oferecê-la através dos distintos meios é fazer a vontade a Deus. Viver a temperança, a sobriedade, aprender a saborear as coisas de Deus são realidades que manifestam que o tato e o paladar estão postos ao serviço do Reino de Deus. A nossa vida elegantemente sóbria dará uma imagem cada vez mais perfeita do que significa ser “uma pessoa que faz a vontade de Deus”. O bom gosto, o ouvido afinado, a percepção tanto daquilo que cheira bem espiritualmente quanto daquilo que fede expressarão que conservamos em bom estado tanto a audição quanto o olfato. Acreditemos: temos muito que contribuir para que aconteçam verdadeiros prodígios. Basta que ponhamos todo o nosso entendimento, o nosso engenho e as melhores energias da nossa vontade em encontrar as melhores maneiras de fazer aquilo que rezamos no Pai-nosso: “seja feita a vossa vontade”.

Pe. Françoá Costa


Textos relacionados

Homilia do D. Henrique Soares da Costa – XVIII Domingo do Tempo Comum – Ano A

Is 55,1-3 Sl 144 Rm 8,35.37-39 Mt 14,13-21 Hoje o Evangelho nos apresenta Jesus como […]

leia a matéria →

Preces – XVIII Domingo do Tempo Comum – Ano A

Sacerdote: Irmãos e irmãs, através dessa Santa Missa, Cristo perfeito mediador entre Deus e os […]

leia a matéria →

Homilia do Mons. José Maria – XVIII Domingo do Tempo Comum – Ano A

O Pão da Salvação A Palavra de Deus, em Mt 14, 13 – 21, mostra-nos […]

leia a matéria →