Família | Pastoral

Queda de natalidade, taxas, imigração. Eis porque acabaremos como o Império Romano

Massimo Introvigne

Atualmente, fala-se muito mal da França, mas temos de reconhecer a capacidade francesa para promover debates culturais que vão além das banalidades do cotidiano. É um bom exemplo o amplo debate que continua sobre o livro do historiador e jornalista Michel De Jaeghere “Os últimos dias. O fim do Império Romano” (Les Belles Lettres, Paris 2014). Em fevereiro de 2015, a revista Católica mensal “La Nef” dedicou a este tomo mais de seiscentas páginas de uma edição especial com vários artigos relevantes, mas o livro continua a ser comentado em ambientes diferentes, às vezes de forma acalorada.

Por que apaixonar-se em 2015 pelo tema da queda do Império Romano? É sem dúvida um dos eventos mais importantes na história universal. Mas na verdade o debate francês rapidamente se tornou político, porque os eventos finais do Império Romano recordam muito – como já tinha agudamente observado Bento XVI – aqueles de outra civilização que está morrendo: a nossa.

De Jaeghere, antes de tudo, repete o que é óbvio para os historiadores acadêmicos, embora às vezes seja negado pelos propagandistas do ateísmo e nostálgicos do paganismo – talvez mais presentes e irritados na França do que em outros lugares –: o Império Romano não caiu por causa do cristianismo. O argumento de que os cristãos, com sua mensagem de amor e paz, teriam transformado o Império Romano em covarde em face aos bárbaros (para não voltar aos polemistas pagãos dos primeiros séculos como Celso) foi espalhada pelo Iluminismo, com Voltaire e com o historiador Inglês Edward Gibbon. Mas, como observa De Jaeghere, isso é totalmente falso. No início do século quinto, cristãos no Império Romano do Ocidente eram apenas dez por cento. Eles eram a maioria no Império do Oriente, mas esse vai resistir às invasões e sobreviverá por mil anos. E é o dez por cento cristão que tentava de manter viva Roma e sua cultura, com bispos e intelectuais como Ambrósio e Agostinho, mas também com generais que lutavam até o heroísmo para defender o Império, como Estílico e Ézio, e com tantos soldados cristãos protagonistas de feitos heroicos em batalha.

Abandonados os absurdos sobre o cristianismo, permanece a questão de como o imenso Império Romano poderia ter caído. Hoje, os historiadores são muito cautelosos em usar a palavra “decadência”. É verdade que, na Itália, nos últimos séculos do Império, duzentos mil chefes de família tinham direito à livre recepção de alimentos, trabalhando ou não, e os cidadãos romanos que trabalhavam, exceto os militares, tinham 180 dias de férias por ano, entretidos por espetáculos, muitas vezes de gosto duvidoso ou cruel. Mas desta decadência escritores e filósofos tinham começado a se lamentar já na época de Jesus Cristo, 400 anos antes da queda do Império, num momento em que Roma ainda estava ganhando as suas batalhas.

À categoria de “decadência”, sugere De Jaeghere, não se pode renunciar levianamente. E é justa a observação de muitos historiadores segundo a qual as explicações que atribuem à queda do Império a uma única causa são ideológicas. Mas isso não significa que devemos desistir e declarar o evento inexplicável. Em contraste, De Jaeghere fala de um “processo”, que liga diversas explicações.

Ainda de acordo como Bento XVI – mesmo sem citá-lo – o historiador francês identifica como a principal causa que está na origem do processo, a queda da taxa de natalidade. O controle da natalidade entre os romanos não tinha os meios técnicos de hoje, mas crescia muito o aborto e o infanticídio, e aumentava também o número de homens adultos que declaravam o desejo de ter relacionamentos exclusivamente homossexuais. O resultado de tudo isso foi desastroso demograficamente: Roma passou de um milhão de habitantes da idade de ouro aos vinte mil no final do século V, com uma queda de 98 por cento. As estatísticas sobre a zona rural são menos seguras, mas entre trinta e cinquenta por cento dos assentamentos agrícolas foram abandonados nos dois últimos séculos do Império, não porque eles não fossem mais rentáveis, mas porque não havia ninguém para cultivar a terra.

Quais são as consequências da queda das taxas de natalidade? São muitas, e todas negativas. Do ponto de vista econômico, menos pessoas significa menos produtores e menos sujeitos que pagam os impostos. O Império Romano sucumbiu à tentação de tantos países que se encontravam em condições semelhantes. Aumentou os impostos, até matar a economia: e até o ponto de recolher menos impostos, mesmo que não haja economistas capazes de explicar matematicamente a curva pela qual, se os impostos aumentam muito, o Estado acaba recebendo menos dinheiro, porque muitos vão à falência e não pagam mais nada. A queda do Império é anunciada em seu último século por uma queda desastrosa de noventa por cento das receitas fiscais. No campo, muitos pequenos proprietários que não podem mais pagar os impostos passam a engrossar as fileiras, florescentes, do crime e da bandidagem.

Roma está à cabeça de um sistema que prevê a escravidão, e a solução à queda da natalidade dos homens livres é encontrada, sobretudo, no aumento da taxa de natalidade dos escravos, para os quais é sempre proibido de praticar o aborto e são incitados por bem e por mal a terem mais filhos. No último século do Império, na atual Itália, 35% da população é composta de escravos. Os escravos, no entanto, não pagam impostos, eles trabalham de modo pouco zeloso e não têm nenhum interesse em defender com as armas os seus patrões ricos. A economia escravista dos últimos séculos do Império se torna também estatista. Cada vez mais, é o Estado que deve gerir as grandes fazendas onde trabalhavam exclusivamente escravos.

Embora com características diferentes, a fraca contribuição dos escravos para a economia recorda a dos operários e camponeses soviéticos.

Se os cidadãos são escassos por causa da baixa da natalidade, e os escravos não resolvem os problemas, a outra medida à qual os Estados e impérios costumam recorrer para repovoar seus territórios é a imigração maciça. Fala-se muito das invasões bárbaras. Mas se esquece, sugere De Jaeghere, de que a maior invasão não ocorreu por meio de conquista, mas pela imigração. A invasão de Alarico, por exemplo, leva para dentro do Império vinte mil visigodos. Mas as medidas tomadas para convidar povos germânicos a imigrar, não apenas legalmente, mas com facilitações, para lidar com o problema da baixa da natalidade, levam para o território imperial em trinta e cinco anos (entre 376-411) um milhão de imigrantes. Certamente os “bárbaros” emigram no Império, ou o invadem, porque na casa deles não se está bem por causa da pressão dos Hunos vindos da Ásia Central, e esta é uma das causas da queda de Roma que não pode ser atribuída às classes dirigentes romanas. Mas o não governo da imigração é certamente culpa das autoridades romanas.

Assim como a fatídica decisão de recrutar imigrantes para o exército – se alguém protestava porque não eram cidadãos romanos, lhes era concedida a cidadania – que desnatura as legiões. No início do século V, o exército romano não é pequeno. É mais do que o dobro do tempo de Augusto: de 240.000 homens passou para mais de meio milhão. O problema é que mais da metade eram imigrantes de origem germânica, e declará-los às pressas cidadãos romanos não mudava a condição deles. É verdade, eram “bárbaros” a maioria dos legionários, mas eram romanos os comandantes e romanos os imperadores que lhes comandavam. Só que em algum momento os “bárbaros” perceberam precisamente que eram a maioria dos soldados, a maioria dos que lutavam e morriam. Por que eles deveriam ser controlados pelos romanos? Então, no final, começaram a matar os generais romanos e a substituí-los por “bárbaros”, juntaram-se aos invasores etnicamente próximos, em vez de rejeitá-los e, no ato conclusivo, marcharam sobre Roma e acabaram com o Império.

Além disso, de acordo com De Jaeghere, durante séculos Roma tinha desistido de ter uma “política externa” para com os povos germânicos que não fosse um verdadeiro convite à imigração. As florestas do Norte pareciam aos romanos um mundo caótico, onde as bandas e os diversos e imprevisíveis líderes se assassinavam entre si, e um mundo com poucas riquezas para trazer para a Roma. Daí a decisão – gravemente equivocada – de desinteressar-se de uma vasta área norte-europeia, permitindo que se formassem lentamente as forças que viriam a atacar e destruir o Império, também porque a globalização do comércio – mesmo sem haver televisão e Internet – informou esses “bárbaros” da fabulosa riqueza de Roma, e desencadeava os seus apetites.

É compreensível que esta sequência que entende as causas da queda de Roma como um processo que vai desde a queda das taxas de natalidade à perseguição fiscal dos cidadãos, ao controle estatal da economia e à imigração sem governo não seja agradável a alguns na atualidade. A essa tese de De Jaeghere se opôs que a imigração é um recurso que os imperadores tiveram que valorizar, e que o verdadeiro problema foi a incapacidade de pensar o Império em termos novos e multiculturais, e não o simples aumento de imigrantes. É evidente que essas objeções “politicamente corretas” nascem do medo de comparação com a Europa de hoje, comparação que o mesmo De Jaeghere não deixa de fazer, ainda que convidando à cautela.

Ao mesmo tempo, o seu livro oferece uma resposta às acusações que ampliam o quadro. Em Roma decaiu a taxa de natalidade capaz de sustentar um Império, com consequências em cascata sobre a economia e defesa. Mas por que isso aconteceu? Porque em algum momento os romanos escolheram o caminho do que, com referência à Europa de hoje, João Paulo II teria chamado de “suicídio demográfico”? O livro sustenta que foram lentamente decaindo dois pilares da cultura romana, a “pietas” e a “fides”, a lealdade às tradições morais e religiosas transmitidas de pais e a fidelidade à palavra dada e aos compromissos assumidos como cidadão romano em relação à sua pátria.

As causas desta “decadência” – neste sentido a palavra não deve ser abandonada – são múltiplas. Por volta da época de Jesus Cristo, a aristocracia romana se transforma de uma elite guerreira e militar a uma elite de proprietários de terras e latifundiárias que recebe o produto de suas posses em Roma, que muitas vezes sequer jamais visitou. Esta nova elite está mais interessada nos prazeres do que na defesa do Império, considerado eterno e invencível. E começa a não ter filhos: todas as famílias tradicionalmente aristocráticas da época de Jesus Cristo são extintas antes de 300 d.C. exceto uma, a gens Acilia, que se converte ao cristianismo. O exemplo das classes dominantes, como sempre, faz prosélitos. A moda do filho único, ou de nenhum filho, atinge a população (plebe).

A objeção de historiadores, especialmente britânicos e americanos, que negam a tese da decadência, é que tudo isso diz respeito principalmente a Roma ou às outras grandes cidades, enquanto ainda no último século do Império 85% de sua população vive na zona rural. Mas mesmo aqui, nota De Jaeghere, decaem a “pietas” e a “fides”. Porque o Império, excessivamente multiculturalista e cosmopolita, é percebido como uma burocracia distante que toma decisões incompreensíveis e rejubila-se especialmente por aumentar os impostos. O pequeno proprietário do campo, na melhor das hipóteses, está disposto a lutar para defender a sua aldeia, e não as fronteiras remotas de um Império que percebe como distante e pelo qual não sente mais nenhum “patriotismo”; na pior hipótese, acolhe os “bárbaros” como libertadores do fisco romano que está lhe levando à falência.

Certamente De Jaeghere poderia dedicar mais atenção às razões estritamente religiosas do declínio, estudadas desde a perspectiva sociológica por Rodney Stark. O declínio da religião pagã, não mais persuasiva a ninguém, está na origem do declínio da “pietas”. Poderia tê-la substituído o cristianismo – o que de fato ocorrerá mais tarde – que, como demonstra apenas uma rápida leitura de Santo Agostinho, sabia encontrar em si as razões para defender o Império e os assuntos públicos, dos quais certamente ele não se desinteressava. Mas no Império Romano do Ocidente, mesmo quando era professado por imperadores, o cristianismo era minoritário.

As lições para o nosso mundo são óbvias. Com todo o cuidado que requer qualquer comparação entre diferentes eras, a queda de Roma mostra como grandes civilizações podem terminar, e que a forma como elas normalmente acabam é por meio de uma crise demográfica. Impérios caem quando não se tem mais filhos, e a baixa da natalidade desencadeia uma espiral diabólica de impostos insustentáveis, controle estatal da economia, imigração desgovernada e exército covarde. Para compreender a relevância da parábola romana em relação como os nossos dias não servem muitos livros, basta abrir as janelas e olhar ao redor.

Sobre um ponto, no entanto, os críticos da De Jaeghere têm alguma razão. Os imigrantes e os invasores de Roma tinham uma vantagem sobre os imigrantes e “invasores” de hoje. Principalmente os germânicos, não eram portadores de uma cultura forte. Reconheceram a superioridade da cultura romana: buscavam apropriar-se dela e acabaram se convertendo ao cristianismo. Através de séculos de sangue, suor e trabalho, a queda do Império Romano do Ocidente prepara assim o cristianismo da Idade Média.

Hoje os imigrantes e “invasores” – invasores através da economia, ou pretensos invasores armados como os do Califado – são portadores de um pensamento forte, seja o islâmico ou o chinês: eles não pensam em assimilar a nossa cultura, mas querem nos convencer da superioridade da cultura deles. A crise que pode seguir disso poderia ser ainda mais letal do que foi para a Europa a queda de Roma. Para isso, discutir as razões para a queda do Império Romano do Ocidente não é um exercício puramente intelectual.

Fonte: http://www.lanuovabq.it/it/articoli-denatalita-tasse-immigrazioneecco-perche-finiremo-come-limpero-romano-11884.htm

Tradução: Pe. Anderson Alves.

Revisão: Viviane da Silva.


Textos relacionados

Apostila sobre o Sacramento do Matrimônio



Uma síntese contendo aspectos bíblicos, históricos, litúrgicos e teológicos sobre o Sacramento do Matrimônio.

leia a matéria →

Divórcio e Recasamento

Os católicos estão se divorciando quase tão frequentemente quanto os não-católicos. Algo está claramente errado.

leia a matéria →

Matrimônio dom e missão – Trilhas para um caminho de casal

Direcionado aqueles que se preparam para o Matrimônio, e também para os recém-casados, a presente […]

leia a matéria →